segunda-feira, 5 de maio de 2014

Morreu hoje a mulher espancada covardemente por ter sido confundida com sequestradora



Fabiane Maria de Jesus morreu hoje depois de ter sido brutalmente espancada por várias pessoas que a confundiram com uma sequestradora de crianças. Fabiane era dona de casa e mãe de dois filhos. 

Tudo aconteceu depois que uma página numa rede social (Guarujá Alerta) publicou o retrato falado de uma mulher acusada de sequestrar crianças para rituais de magia negra, e com quem Fabiane havia sido confundida. Depois de terem visto o tal retrato os vizinhos da vítima se dirigiram até a casa dela, onde a amarraram e deram início ao espancamento. O responsável pela página na rede social disse à polícia que havia colocado avisos dizendo que o caso da sequestradora se tratava de um boato, e agora deverá estar à disposição da polícia. 

Este é mais um caso para aqueles que apoiam a autotutela refletirem sobre o assunto.
________

Diferente do que algumas pessoas tentam dar a entender nas redes sociais, eu não sei se as opiniões de Raquel Sheherazade estimulou os acontecimentos de barbárie e violência extrema de pessoas que se acham no direito de fazerem justiça com as próprias mãos, mas acredito que ela e qualquer outra pessoa formadora de opinião tem uma imensa responsabilidade, pois estamos num país em que o povo tende a interpretar as coisas sempre da pior maneira, e depois por estarem à frente de um veículo de comunicação de massa... 

Estou muito triste com os últimos acontecimentos, e me revolta ver que na atualidade a vida humana não tem tido mais nenhum significado para algumas pessoas de espírito pobre; matam agora por matar, com total indiferença à vida, logo a vida que é o que temos de mais valioso e maravilhoso. 

O caso da Sr.ª Fabiane é extremamente revoltante e comovente, pois era uma inocente que apanhou cruelmente (me enche de comoção só de imaginar as dores lancinantes que ela sentiu), e que mais tarde veio à morte em decorrência dessa brutalidade.... Deixando dois filhos, agora órfãos de mãe.

Eu compreendo o ódio que sentimos diante de crimes, ainda mais quando somos vítimas, mas isso não nos dá o direto de lançar mão da autotutela (justiça com as próprias mãos), ainda mais quando não temos provas concretas de culpabilidade. E isso não se confunde por exemplo com o pai que mata o estuprador de sua filha, em que pode até haver o perdão judicial, mas sim de pessoas (muitas pessoas) que com desarrazoada covardia se põem no lugar do juiz e carrasco para torturar e espancar pessoas. Sinceramente, eu não já mais não sei para onde estamos indo e tenho medo de onde vamos chegar desse jeito.
Postar um comentário