quinta-feira, 24 de maio de 2012

Votação em Plenário do Relatório da CPP.ALE.RO | 23.05.2012【S.RÏVER】


No dia 23 de maio de 2012 a Assembleia Legislativa de Rondônia foi palco de mais uma vergonha para a política de Rondônia, que mais uma vez suja imagem do Estado. O que já está se tornando uma tradição da Assembleia Legislativa que se depender do Fórum em Defesa da Ética e Moralidade Pública e outros movimentos e entidades contra a corrupção está não vai perdurar por muito tempo.

Após a leitura do Relatório (da Impunidade) apresentado pelo Deputado Edson Martins, relator da Comissão Parlamentar Processante (CPP) que investigou a atuação de oito deputados no escândalo Termópilas, indicando a cassação de Valter Araújo e penas brandas aos demais envolvidos, neste último dia 23 de maio o referido relatório foi votado em plenário em meio à presença de muitos populares e manifestantes no auditório da Assembleia Legislativa.

Neste dia um grupo de jovens artistas encenou uma peça teatral satirizando o político de corrupto de Rondônia em forma de protesto. A encenação foi feita de forma improvisada embaixo do auditório da Assembleia Legislativa em frente ao vidro que separa o povo dos deputados em plenário.

Após iniciado os trabalhos o Deputado Ribamar Araújo pediu a palavra para discursar, ocasião em que declarou ser falsa a notícia de que seria aliado do ex-Presidente da ALE/RO, Valter Araújo, bem como teceu duros comentários ao relatório da Comissão Parlamentar Processante, e esclareceu que renunciou a  fazer parte de tal comissão pois acreditava ser escolhido para relator e temia ser induzido "numa manobra sórdida" a indicar penas brandas aos envolvidos no escândalo, o que de fato aconteceu com o Deputado Edson Martins na relatoria.

"Vocês talvez não saibam, mas eu sei perfeitamente quantos bandidos tem nesta Casa". Deputado Ribamar Araújo.

Em seguida foi a vez do relator da CPP, Deputado Edson Martins, discursar em plenário, sendo fortemente vaiado pelo povo que o chamava de "covarde" e "pelego", entre outros adjetivos devidamente aplicáveis ao mesmo considerando o que fez com seu relatório final, isto é, contra o povo o mesmo foi brando na indicação das penas à maioria dos envolvidos no escândalo da Operação Termópilas.

"O Valter é um bom companheiro, o Valter é um bom companheiro, o Valter é um bom companeiroooo. Ninguém pode negar. Se não ele MANDA MATER, se não ELE MANDA MATAR". Cantava o povo no auditório em coro!

O relator durante a maior parte de seu discurso insistia apenas em dizer que era necessária a cassação de Valter Araújo, isto é, tão somente chutando cachorro morto (uma vez que seria tecnicamente impossível não cassar Valter Araújo), evitando o tempo todo comentar sobre as penas brandas que ele atribuiu aos outros sete deputados envolvidos no escândalo, e que povo exigia que fossem igualmente cassados junto com o líder da quadrilha.

O atual presidente da Assembleia Legislativa, Deputado Hermínio, decepcionou o povo ao declarar que estaria satisfeito com o relatório, e quis fazer o povo acreditar que aprovando o Relatório (da Impunidade) estariam de fato fazendo justiça. Ocorre que a sociedade Rondoniense o tempo todo quis a cassação dos oito envolvidos e não apenas a de um que notoriamente serviu de "bode expiatório" para que os demais deputados se safassem com a pena ridícula de Suspensão Temporária dos Mandatos no período de 30 dias, conforme indicação do Relator Edson Martins (pelego).

Também esteve na Assembleia Legislativa o advogado do ex-Presidente da Casa, Valter Araújo, que fez sustentação oral em defesa de seu cliente que até a presente data se encontra foragido da Justiça.

A votação do relatório se deu com a votação pela efetivação ou não da pena indicada no relatório para cada deputado envolvido, a começar pelo ex-Presidente da ALE/RO, Valter Araújo.

O primeiro deputado a votar foi Adelino Follador que de fato cumpriu a palavra de que iria mostrar seu voto ao povo, então o mesmo apesar de ter votado em escrutínio secreto, lançou mão de sua prerrogativa de mostrar o seu voto ao povo antes de depositá-lo na urna, sendo seguido por outros seis deputados durante a votação pela aplicação ou não da pena de cassação ao mandato de Valter Araújo.

Com a apuração dos votos foi declarada a cassação do mandato do ex-Presidente da Assembleia, Valter Araújo, sendo por sua vez o primeiro deputado de Rondônia a ser cassado, em 30 anos de história do Poder Legislativo Estadual. Em relação aos demais cinco deles tiveram ratificada a pena de Suspensão Temporária de seus mandatos, conforme o Relatório da CPP, e um deles ainda conseguiu ser absolvido pelos colegas, o Deputado Saulo da Renascer.

O povo vibrou com a declaração da cassação do mandato de Valter Araújo, entretanto não há muito que se comemorar uma vez que foi celebrada a impunidade e a premiação à corrupção pelos entre os deputados da Assembleia Legislativa de Rondônia, uma vez que a pena de Suspensão de Temporária de Mandato (no período de 30 dias) é demasiada ínfima para a atuação dos demais envolvidos no escândalo. Logo atribuir uma pena como esta que beira o ridículo é fazer apologia à corrupção e agredir o senso de justiça do povo de Rondônia.

O dia termina em meio à tristeza para a sociedade que se vê mais uma vez ultrajada e desrespeitada pelo Poder Legislativo Estadual, através de seus membros, que num degradante espetáculo premiam políticos corruptos sujando a imagem e a historia do estado de Rondônia. A esperança agora é de que o povo jamais esqueça a cara desses deputados e de qualquer outro agente político notoriamente corrupto, e nunca mais os elejam para representá-lo. E mais, que acabe com a vida política de todos os oito deputados envolvidos no escândalo e dos demais que declararam apoio aos mesmos, e que seja também iniciada uma campanha constante contra todo e qualquer agente político corrupto, de modo que finalmente seja percebido que o Poder emana do povo, logo ele o Poder é do Povo!





Postar um comentário