quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Cheia do Rio Madeira | 12.02.2014【S.RIO】


O Rio Madeira alcançou no dia 12 de fevereiro 17,1 metros e com isso já está alagando ruas e o dec do Parque Madeira-Mamoré, e trechos de rodovias que dão acesso a alguns distritos de Porto Velho.

Como os afluentes do rio Madeira também estão mais caudalosos, a cidade de Guajará-Mirim, banhada pelo rio Mamoré, consequentemente está passando por dificuldades, sendo que a cheia do Madeira poderá agravar ainda mais a situação se as rodovias ficarem intrafegáveis, isolando a cidade de Guajará do resto do país. 

A primeira usina hidrelétrica a abrir suas comportas foi a de Jirau, seguida da usina de Santo Antônio.

Em entrevista coletiva o representante da usina de Santo Antônio declarou que a cheia do rio Madeira não é de responsabilidade das usinas hidrelétricas, alegando que o rio no lado brasileiro está recebendo grande volume de água da Bolívia, o que justificaria a grande cheia. Afirmou ainda que as usinas de Jirau e Santo Antônio diferentemente da usina de Samuel foram projetadas para não formarem barragens, isto é, o volume de água que Jirau recebe ela passa para Santo Antônio, e esta passa para o rio Madeira. E finalizou dizendo que está pode ser a maior cheia dos últimos tempos, e reiterou que as usinas hidrelétricas não teriam como interferir, devendo permitir a passagem do volume de água que houver.

Ainda no final do dia 12 de fevereiro o Porto do Cain'água foi interditado até que as águas recuem, enquanto porto graneleiro encontra-se em estado de atenção. E como medida de segurança foram suspensas as viagens rodoviárias para a cidade de Guajará-Mirim. 



















Postar um comentário