terça-feira, 12 de abril de 2011

RAFAEL BASTOS | PROFISSIONALISMO e ÉTICA dão lugar ao PRECONCEITO REGIONAL e ao MAU GOSTO



No vídeo acima o apresentador e comediante Rafael Bastos ofende o povo rondoniano com piadas medíocres e hostis, demonstrando demasiada ignorância uma vez que com essas piadas infames não ofende apenas o povo natural de Rondônia, mas também muita gente das diversas regiões do Brasil que escolheram esse estado pra viver, uma vez que os mesmos não tiveram em suas terras as mesmas oportunidades que encontraram aqui.


Se o povo rondoniano "é feio", "é estranho", "foi sacaneado por Deus", "é de filhos do diabo", é bom que esse infeliz comediante saiba que quase 50% da população do estado de Rondônia é formada por migrantes...

Quem garante que Rafael Bastos, em sua temporada aqui no estado, ao formar seu conceito sobre as pessoas daqui não se deparou com alguns de seus conterrâneos desprovidos de beleza?

Pra mim a postura desse comediante está muito aquém do profissionalismo e da ética que se exige em qualquer profissão, mas ao contrário, o mesmo dissemina o preconceito regional em suas apresentações. Um humorista ou comediante não carece disso para fazer as pessoas rirem, aliás, os mais competentes e os grandes nomes do humor brasileiro não costumam menosprezar ou denegrir tanto a imagem de uma terra que eles desconhecem, isto é, apesar da maioria deles ser de nordestinos os mesmos geralmente citam sua própria região em suas piadas, a diferença é que os mesmos têm legitimidade pra isso, pois ali viveram e conhecem.

A última vez que fiquei tão desgostoso e ofendido com algo assim foi quando li a reportagem tendenciosa, parcial e muito mal feita da jornalista Eliane Brum da revista Época, e agora mais uma vez me sinto tremendamente ofendido em ver meu povo e meu estado ser hostilizado e agredido Brasil afora por um cara que se diz comediante, mas que demonstra não ter se quer o mínimo de bom senso.
( http://saimonrio.blogspot.com/2009/04/revista-epoca-insulta-porto-velho.html )

Sei que muita gente de Rondônia gosta muito do programa CQC... Eu mesmo nunca assisti, e apesar de reconhecer o excelente formato que o programa tem, a partir de hoje numa medida radical de minha parte, não quero mais assistir esse programa. E mesmo sabendo que em nada isso reflete, pra mim essa atração televisiva já perdeu todo o seu conceito, uma vez que tem tal apresentador em sua bancada.

Só lamento que em Rondônia não haja o tal equipamento nas TV's que permitem mensurar a audiência das TV's Abertas, havendo tão somente um meio arcaico de pesquisa que de tão ineficiente eu nunca foi entrevistado e desconheço quem tenha sido, mas caso tivessem como computar minha audiência me sentiria muito feliz de saber que não contribuo para a já baixa índice IBOPE da Rede Bandeirantes, emissora essa em que Bóris Casoy também ofendeu fortemente os garis numa edição do Jornal da Band, alias, alias, durante o intervalo do noticiário cujo áudio foi ao ar.

Infelizmente é assim que as pessoas famosas (que deveriam ser referência pelo menos na vida pública) e a imprensa colaboram para a integração social-cultural desse país. Ora, boa parte das pessoas do cone-sul do Brasil já não conhece a Amazônia como deveria na qualidade de brasileiros, e com posturas como essas fica cada vez mais difícil tirar esses brasileiros do mundo do desconhecimento sobre nossa Região, que tão importante para nós amazônidas quanto para eles mesmos.
Postar um comentário