sexta-feira, 18 de novembro de 2016

VII SERIPA da FAB faz palestra sobre acidentes aeronáuticos em Porto Velho



A palestra foi apresentada primeiramente em Manaus, e na manhã desta sexta (18/11/2016) foi a vez de Porto Velho, e contou com a presença de representantes da INFRAERO, SAMU, PM, PF, POLITEC, DETRAN e de uma empresa de táxi aéreo. O evento aconteceu no auditório da INFRAERO no Aeroporto Internacional Jorge Teixeira, e teve como palestrante o Ten. Cel. Mota, responsável pelo Sétimo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes - VII SERIPA, que, sediado em Manaus, tem sob jurisdição os estados da Amazônia Ocidental (RO, AC, RR e AM).

O objetivo da palestra foi abrir um diálogo com os representantes de órgãos que tem competência para atuar numa situação de queda de avião, seja em área rural ou urbana, aeronave grande ou pequena. De acordo com a protocolo num eventual acidente aeronáutico o SERIPA regional deve ser avisado imediatamente, podendo agir no local, a princípio, o SAMU/BOMBEIROS para o resgate e a PM para organizar e isolar o local (se a área for de sua jurisdição) ou então a PF. A recomendação maior é que não haja qualquer modificação da cena do acidente, a fim de que o trabalho de investigação especializado do SERIPA não seja prejudicado, lembrando que a liberação do local para a realização da perícia policial (POLITEC/PF) é feita através de termo pelo SERIPA.

Vale salientar que segundo a legislação federal "toda pessoa que tiver conhecimento de qualquer acidente de aviação ou da existência de restos ou despojos de aeronave tem o dever de comunicá-lo à autoridade pública mais próxima e pelo meio mais rápido", e essa autoridade, ciente dos fatos, deve imediatamente comunicar o SERIPA regional, ou a autoridade aeronáutica mais próxima.

A seguir confira algumas atribuições dos órgãos envolvidos:
- PM/PF: deve atuar via de regra em área urbana, isolando a área e organizando o local, evitando saques de pertences e movimentação dos componentes da aeronave.
- DEFESA CIVIL: deve atuar via de regra em área urbana, quando construções forem destruídas;
- BOMBEIROS: resgatar vítimas e combater eventual o incêndio;
- SEMTRAN/DETRAN: controlar o ordenar o trânsito de veículos no local e auxiliar na desinterdição de vias públicas;
- PC/POLITEC/PF: realizar os trabalhos de investigação após autorização do SERIPA regional, bem como manter a guarda de pertences pessoais não identificados;
- IML: identificação das vítimas e proceder exames toxicológicos nos pilotos.

Entre os perigos que podem haver num acidente aeronáutico estão os seguintes:
- QUÍMICOS: combustíveis, metais, explosivos e radioativos;
- MECÂNICOS: destroços, acumuladores, pneus, molas e cabos;
- ELÉTRICOS: capacitores e baterias;
- BIOLÓGICOS: vegetação, condições sanitárias, restos humanos e doenças;
- TÓXICOS: inalação de gases;

No caso de um eventual acidente aeroviário em algum lugar dos quatro estados da Amazônia Ocidental, os meios de contato do VII SERIPA são os seguintes:
- Sobreaviso: (92) 98423-0177
- Chefe da Seção de Investigação: (92) 98423-0170
- Chefe do SERIPA VII: (92) 98415-9679
- SPAA VII COMAR: (92) 98802-6345
- SCOAM BAPV: (69) 99241-3559
- As ligações deverão ser feitas exclusivamente para comunicar algum acidente aeroviário.

Postar um comentário