quinta-feira, 2 de agosto de 2012

EFMM100 anos | Centenário da Madeira-Mamoré em 1º de agosto de 2012


No último dia 1º de agosto de 2012 um dos mais importantes bens históricos do mundo moderno completou seu primeiro centenário em meio a uma grande festa no Parque Madeira-Mamoré. As atividades começaram a partir das 5h da manhã com o acionamento da sirene do complexo ferroviário, e prosseguiu até a final do dia com diversas atrações artísticas e culturais e um show num palco que foi montado na Av. Farquhar e onde se apresentaram várias bandas musicais locais de diferentes estilos.

Neste dia tão festivo muitas pessoas se fizeram presentes em maior número a partir do final da tarde, período em que a maior parte delas deixavam seus postos de trabalho. Por volta das 18h várias famílias lotavam o parque, disputando espaço entre as principais atrações do dia: o museu ferroviário que ficou aberto o dia inteiro; a mostra de fotos antigas, telas e esculturas em um dos galpões da ferrovia; a estação ferroviária e locomotiva 18 que foi acionada pela manhã e no começo da noite; a Av. Farquhar onde estava montado o palco; e o anfiteatro onde houve a apresentação da peça teatral "A Ferrovia dos Invisíveis" do grupo O Imaginário de Porto Velho.

MOTIVOS PARA COMEMORAR
Realmente dói em muitos portovelhenses e amantes de ferrovias o fato de muitas peças e memórias da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré ter se perdido assim que fora nacionalizada, tendo hoje um acervo ínfimo diante da grandeza que foi a construção desta ferrovia. Também entristece o fato de que até a presente data muito peças ainda sofrem com a ação do tempo, abandono e descaso por parte do Poder Público que sempre foi negligente e descompromissado com a história e cultura do povo de Rondônia, no entanto, apesar destes pesares, existe sim motivos para comemoramos este centenário, mas também para nos rebelar e exigir de nossos governantes mais atenção e respeito para com a história desta terra e para com o povo rondoniense... Se o sangue de nossos antepassados não significou nada para o Governo Brasileiro, o povo precisa sim comemorar os 100 anos da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré como uma questão de honra, devendo ainda enaltecer esta ferrovia em homenagem aos bravos heróis que deram seu suor, sangue e vida para esta magnífica obra fosse finalmente concluída.

Também se faz necessário que o povo de Rondônia, seja de nascimento ou por opção, finalmente aprenda a gostar deste Estado como instituição, e que também deixe de ser conivente com tudo de ruim que está acontecendo nestas paragens através de sua omissão, comodismo ou conformismo, e vá às ruas exigir mudanças para melhor em respeito ao Estado de Rondônia e a si mesmos como cidadãos.

A ÉPOPEIA
A construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré foi uma das mais dramáticas da história ferroviária mundial, e encanta, surpreende, fascina, impressiona e emociona aqueles que procuram saber um pouco mais sobre sua fantástica história. Nos links a seguir acompanhe dois breves resumos desta história que teve início no final do século 19.



CURIOSIDADES DA FERROVIA
A construção de uma estrada de ferro em meio à Floresta Amazônica inexplorada; desconhecida, e com todas as suas adversidades: animais selvagens, nativos (índios) hostis, doenças tropicais até então desconhecidas, imensidão da floresta, corredeiras violentas, entre outras, e posteriormente a superação do homem que mesmo diante destas condições venceram a luta e alcançaram a glória concluindo, na época, a maior obra de engenharia da Amazônia. Assim a Madeira-Mamoré acumulou muitas curiosidades que despertam até hoje muito interesse.

- Teve suas primeiras tentativas de construção no final do Século XIX comandada pelo coronel estadunidense George Earl Church;
- Foi Dom Pedro II quem concedeu a autorização para a construção da ferrovia em solo imperial brasileiro;
- Os primeiros recursos para sua construção foi arrecadado no Reino Unido, possuindo na época ações na Bolsa de Valores de Londres;
- O estadunidense Thomas Collins, um dos donos da empreiteira P&T Collins chegou a se instalar no canteiro de obras, entretanto, mais tarde veio a ser atingido por duas flechas indígenas;
- A ferrovia foi finalmente construída entre 1907 e 1912, tendo a concessão para construção e exploração o milionário estadunidense Percival Farquhar, que constituiu a empresa The Madeira-Mamoré Railway Company;
- Estiveram no canteiro de obras operárias oriundos de cerca de 50 nacionalidades diferentes;
- As principais dificuldades durante a construção foram o local (floresta imensa, desconhecida e isolada), doenças (malária, febre amarela, beribéri...), animais selvagens, índios também selvagens, condições de trabalhos, entre outras.
- Ouve-se dizer que a construção da ferrovia Madeira-Mamoré teria batido o recorde mundial de acidentes de trabalho;
- Trabalhadores recrutados na Europa desertavam logo no porto de Belém quando tinham notícias das condições do canteiro de obras da Madeira-Mamoré;
- Há comentários de que The Madeira-Mamoré Railway poderia ter respondido por genocídio, uma vez que a empresa determinava a eletrificação dos trilhos à noite, a fim de evitar que os índios tirassem os dormentes colocados de dia... Muitos índios Caripuna deles teriam morrido eletrocutados;
- A tecnologia adotada na construção foi a estadunidense com importação de maquinário principalmente da Filadélfia;
- No período final da construção a cidade de Porto Velho, criada em decorrência da Madeira-Mamoré, era tida como de primeiro mundo, com fábrica de gelo, lavanderia, complexo hospitalar, e dois jornais publicados em inglês, o The Porto Velho Times e o The Porto Velho Courrier;

REVITALIZAÇÃO
Segundo o que foi noticiado neste dia de festa, a reativação do trecho turístico da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, partindo de Porto Velho até o povoado de Santo Antônio, é uma condicionante imposta à Santo Antônio Energia (consórcio responsável pela construção da UHE de Santo Antônio) para que a usina hidrelétrica possa gerar energia a todo vapor!

Portanto mais uma vez se renova as esperanças dos "amantes" da ferrovia Madeira-Mamoré de que os passeios de Maria Fumaça voltem a ser uma realidade.

PARABÉNS MADEIRA-MAMORÉ PELO SEU PRIMEIRO CENTENÁRIO!




















Postar um comentário